Mês dos namorados – histórias de amor

14 jun

Oi, gente!!!!!!!

 

Lembram daquela promoção que eu lancei?!

Pois é… Mês dos namorados… Achei por bem começar a publicar as histórias hoje!

A primeira delas é a da Mariana Lira. Uma fofa que sempre nos segue e que tem uma linda história de amor pra nos contar…

Provando que o amor pode estar nos esperando até em um show de forró!

(Quem ainda não teve a história publicada, não se desespere! Vou publicar TODAS!)

Quem ainda não enviou… Ainda dá tempo!

Veja:

 

No mês de junho (falta pouquinho!!!!) Raphael e eu completaremos 4 anos de namoro. Estamos nos organizando pra casar daqui a 2 anos, em 2011, tempo que consideramos suficiente pra juntar uma grana e estabilizar nossas vidas profissional e financeira.
 
O nosso encontro foi peculiar. Nos conhecemos em um show de forró! Pra quem nunca foi, um show de forró é uma massa amorfa de gente se empurrando de lá pra cá, tentando dançar e suando aos bicos rsrsrs. Raphael não gosta de forró. Não era para ele estar ali. E eu, apesar de até simpatizar com o estilo, fui somente pra acompanhar uma amiga. Eu estava solteira fazia mais ou menos 1 ano e, desde então, não frequentava esse tipo de balada. Entretanto, quem tá na chuva tem que se molhar, né não? Assim, pra não irmos sozinhas, ligamos pra todos os amigos possíveis e imagináveis que, delicadamente, negaram nossos convites. O único que aceitou (pra minha desgraça) foi um artista muito doido, cheio de dreds e idéias viajadas na abeça, que viajou na maionese achando que eu o havia convidado por interesses outros.
 
Resultado: depois de tentar convencê-lo de que ele não era meu príncipe encantado (o que não funcionou) tive de ceder às idéias mirabolantes da minha colega, a qual sugeriu que sumíssemos da vista da figura. Metade do show foi embora junto com as nossas tentativas de evitar um reencontro com o carinha. Mas pelo menos funcionou rsrsr.
 
Como era 04 de junho e, por isso mesmo, próximo ao dia dos namorados, o show estava repleto de casais. Como se não bastasse, a banda principal (Limão com Mel) estava lançando seu novo CD, uma coletânea de músicas românticas, pra se ouvir/dançar bem agarradinho, de rostinho colado. Olhei para um lado, para o outro, para a frente e a verdade é que me senti uma ilha cercada de casais por todos os lados. Quando me dei conta da situação, percebi que havia mesmo perdido a noite. Minha saída foi encostar-me na pilastra e esperar pelo amanhecer (por que, como boa lisa, tinha ido de ônibus né rsrsrrs). Minha amiga estava de pé, quase dormindo, igualmente entediada e provavelmente se perguntando o que estava fazendo ali.
 
Comecei a pensar no absurdo da nossa idéia. Que história mais louca essa de aventurar-se sozinha na noite recifense, sem nem uma costelinha pra esquentar e – o pior -, em um show de forró romântico!!! Comecei a conversar com Deus (juro, juro, juro que é verdade!!). Expliquei a Ele que minhas intenções eram boas e que a saída foi planejada para espairecer, relaxar e sem interesses escusos. E pedi: “por favor, meu Deus, não quero nada especial, não. Quero só alguém pra dançar, pra não perder a noite, só isso!!”. De repente, não mais que de repente, eu me deparo com Raphael, à minha frente, me chamando para dançar. Durante a dança, descobrimos semelhanças até na profissão: ele publicitário, eu jornalista, dois comunicadores solitários, perdidos numa noite fria. As semelhanças foram sentidas também no primeiro beijo…. ai ai rsrsr.
 
A história começou a ficar esquisita quando chegou a hora da despedido. Ao invés do telefone, ele me pediu o msn com a desculpa de que era horrível em decorar números. Fiquei desconfiada, mas dei o endereço de e-mail crente de que havia sido enrolada mais uma vez. Nos despedimos e eu fui pra casa, certa de que tinha sido apenas mais uma noite banal na minha vida.
 
Entretanto, mesmo que não quisesse assumir, aquele encontro tinha tido um gosto diferente, mais especial. E pensar que ele não havia passado de um encontro furtivo me deixava triste. Assim, no dia seguinte, quando meu pai me perguntou como havia sido o show, eu caí no berreiro. Isso. chorei mesmo! Um choro sentido, desses que só são chorados por alguém que perdeu algo muito importante. Estranhando, meu pai perguntou o que tinha acontecido e eu expliquei a história toda, inclusive a parte do msn. E meu pai falou, com a sapiência de quem já viveu muito – “também, você queria mesmo arranjar namorado em show de forró?!?”. Sem comentários, né…. rsrsr
 
Segunda-feira, no trabalho, apenas por curiosidade, entrei no msn e vi um convitezinho de um Rafael dançando na tela. Pense numa alegria! Ele tinha lembrado mesmo! Adicionei  o carinha e já fui toda feliz dar bom dia. E num é que era outro Rafael?! fiquei com tanta raivva por causa do funesto acaso que mandei o cara se lascar, excluí e bloqueei ele. Acho que até o hoje o coitado se pergunta o que fez de errado. E fui trabalhar, fazer minhas fotos e amargar a certeza de que eu havia sido besta mesmo. Quando voltei, apenas por desencargo de consciência, entrei no msn novamente. E lá estava o tão esperado convite, desta vez do meu Raphael, assim, bem chique, com PH.
 
Conversamos, trocamos telefone e marcamos o almoço para aquele mesmo dia. O primeiro encontro depois do show, o primeiro beijo e a certeza crescente de que tinha início, ali, uma história muito especial. Durante aquela semana, nos encontramos todos os dias, até o dia 08, quando marcamos de ver o show de Chico Cézar.
 
Quase na hora do show, descobri que meus pais também estariam ali e fiquei bastante apreensiva, com a idéia de que ele poderia achar que eu estava forçando a barra para alguma coisa. Mas até nisso ele me surpreendeu. Mesmo sem dizermos um ao outro que o namoro era oficial, ele peitou a situação constrangedora de, na primeira semana, já conhecer os pais da moça. E assim, durante o show, conversa vai conversa vem, eu perguntei, pra dirrimir toda e qualquer dúvida, qual era a da gente. Até hoje eu lembro da doçura daquele olhar. Estava tocando “É só pensar em você que muda o dia, minha alegria dá pra ver…” e ele disse – “pra mim, nós estamos namorando desde a segunda-feira, desde o nosso primeiro encontro. Por que, quando eu te reencontrei naquele dia, naquele almoço, eu sabia que não era algo assim, tão simples. Minha vida estava mudando”.
Estamos juntos até hoje e cada dia eu o amo mais e mais e sei que, sim, a recíproca é muito verdadeira!.
 
Assinado; Mariana Lira

Anúncios

5 Respostas to “Mês dos namorados – histórias de amor”

  1. Rachel 18/07/2009 às 9:30 AM #

    Que história linda de vcs….

    Espero que sejam sempre muito felizes…É impressionante como as melhores coisas são mesmo aquelas que a gente nunca planeja e nem imagina…rs

    Prosperidade pra vcs, bjos

  2. sheila 05/07/2009 às 11:51 AM #

    Ameeii a historia dii vo6,
    ki sejaH eternoooo…

    Deus abençoe vo6

    beeeeijos

  3. Déborah 29/06/2009 às 12:47 AM #

    Lindo!!!!!
    Nossa! Mariana que história bonita…
    Como tudo tão rápido mas ao mesmo tempo tão dificil, deu tão CERTO.
    Parabéns!!! Que Deus te ilumine,nessa fase…
    E q vcs possam celar esse amor o mais breve!!!
    Beijoooo

  4. Mariana Lira 16/06/2009 às 11:12 AM #

    Publicaram mesmo!!! êbaaaaaaaaaaaaa!
    Dudu e Naná: Raphael me pediu em noivado de cima de um palco, pra uma boate inteira ouvir. Foi neste último 12 de junho, uma data que eu jamais vou esquecer. lindo demais!

  5. Lalah Lee 15/06/2009 às 5:54 PM #

    Ai que história mais fouuufa! *.* Ando tão melosa essas épocas pré, durante e pós dia dos namorados! rs
    *suspiro*

    Ô, mana, pode mandar histórias de quem num é noivo ainda? hehehe

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: