Arquivo | História de Dudu e Naná RSS feed for this section

Bye, bye… Oops! Surpresa!

21 jul

Olá, pessoal!

Bem que tentei voltar pra cá, mas tanta coisa mudou que resolvi migrar pra outro blog!

O endereço é: http://avidasegundonana.blogspot.com/

Espero vocês lá!

Com carinho,

Naná.

Anúncios

Nosso apê, nossa vida!

21 set

Oi, gente!

Estou longe há muito tempo?

 

 Poxa… É por uma excelente causa!!!!!!

 

Finalmente compramos o nosso apartamento!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

 

*Pausa para comemorações*

 

 

Pois é… Finalmente… O apelidamos de “Potinho”, pois, além de bem pititico, é o nosso cantinho, nosso esconderijo, nosso refúgio…

 

Ah, o nome só faz sentido pra gente mesmo! Heheheheheheheh!

 

Bom, agora a luta final é com o término da compra das coisas… Já compramos a geladeira, o fogão e a máquina de lavar.

Não via a hora de contar isso pra vocês!

 

Bom, mas agora eu vou indo, pq daqui a pouco tenho aula!

 

Beijos a todos,

 

Com carinho,

 

Naná

Insônia

17 ago

02:10 da madrugada do dia 17 de agosto, crise de insônia…

Fora da internet, escrevo esse post no bloco de notas e vou postá-lo depois…

Pretendo acordar às 6, mas ainda nem dormi. Cheia de coisas na cabeça, expectativas, emoções…

Ainda não havia percebido (ou resolvido assumir) a falta que farei pra minha mãe e a falta que ela fará a mim…

Pra começar essa história, retomemos o meu passado.

Sou filha de uma família de três irmãos.

Os outros dois são homens e com diferenças de idade com relação a mim de 15 e 18 anos. Nasci com uma mãe, na época, com 39 anos e um pai com 47 anos! Hoje isso é comum, mas há 24 anos atrás não era!

Não sou tão apegada a meu pai quanto sou à minha mãe. Ele era motorista de caminhão (hoje aposentado) e viajava muito. Como sou a “rapa do tacho” fui criada com todos os mimos e apegos a ela. Somos uma pela outra há 24 anos.

Pra se ter uma ideia, em 24 anos, dormi longe dela apenas 2 dias. Foi em 2005, quando viajei com o meu irmão pra um show.

Somos apegadas, brigamos, choramos, discutimos, sofremos, rimos e vivemos até hoje muito juntas. É difícil pensar em separação.

Do jeito que eu tô contando parece que eu vou mudar pra China ou vou seguir em missão espacial pra lua, né?!

É, eu sei…

Nem de cidade eu vou mudar.

Mas pra 24 anos de uma proximidade tão forte, de uma ligação tão profunda, sem irmãs, primas, avó ou tias, é como o meu coração se sente…

Ela é a mulher com quem tenho mais proximidade.

Não conheci minhas avós, essas falecidas antes de meu nascimento, não sou próxima a nenhuma tia ou prima. Somos somente eu e ela.

É um misto de sentimentos.

Juntam-se a alegria de finalmente ficar pra sempre junto do amor da minha vida e construir com ele uma família e uma certa dor em ter esse ciclo de mãe e filha na mesma casa encerrado.

*Pausa pra chorar*

Sabe que eu vou sentir saudades dos esporros sobre banhos demorados, quarto bagunçado, tv e computador ligados um tempão, chegar em casa depois das 11:30 da noite (sim, Dudu me deixa em casa religiosamente nesse horário!), sobre não ajudar em nada dentro de casa…

Vou sentir saudades de ligar pra ela me buscar na faculdade ou no trabalho, do café da manhã e da tarde regado a loooooooooooooooooongas conversas que tanto nos ensinaram (*chorando muito*), dos passeios à tarde no centro da cidade com os almoços por lá mesmo, das mensagens no celular, da espera no portão ou no ponto de ônibus quando eu volto do trabalho mais tarde…

Vou sentir saudades de cada palavra, cada gesto e de todo o apoio e criação que ela me deu e que me permitiu que eu chegasse até aqui.

Vou sentir falta da forma como ela me trata, que, por mais que eu esteja à beira de completar 1/4 de século, ela me trata como se eu tivesse 12 anos.

É, mas já se vão 12 anos que eu fiz 12 anos…

Cresci.

Vou me casar!

Ela adora o Dudu, mas sinto que, por mais que o veja como um membro da família, ela está sentido por esse fim de etapa e início de outra.

Não vou me separar dela. Apenas não moraremos mais na mesma casa.

Ela não vai sentir mais que tem uma responsabilidade sobre mim e continuaremos juntas pra qualquer coisa.

Mas mesmo que eu tente ver por esse lado, sei que doerá.

Pra ambas.

Afinal, estamos sempre em constante transformação. Não somos mais crianças, nem adolescentes…

Não é que acabou, transformações ocorreram e ocorrerão. Mas sei que no começo doerá.

Falando em crescer, essa insônia (em Uberlândia, 02:50) foi mais um sinal da minha percepção sobre o tempo…

Desde que saí da faculdade, parece que tudo começou a passar mais rápido, ou… Sei lá… O tempo e a conjuntura me fizeram “cair na real” sobre algo que já estava acontecendo: o passar do tempo.

Encarei a faculdade como uma extensão de minha adolescência.

Lalah também encarou e essa se tornou a dupla perfeita pra faculdade mais cara de “Ensino Médio” que já existiu!

Medo de crescer? Quem sabe…

Talvez tenha sido uma forma de procrastinar uma fase tão boa (e aproveitar as carinhas ainda não aparentado a idade que tinham!).

Depois que saí de lá, tudo veio de repente.

Eu e Dudu voltamos, me formei, ele se formou, comecei a vida (difícil) profissional e ele também, noivamos, começamos a nos preparar pro casamento…

Tudo em 2 anos. Vi o sonho de anos e uma nova realidade se fundirem em um curto espaço de tempo.

Foi bem intenso. E ainda é.

A cabeça mudou, a adolescência finalmente passou.

Não tenho ideia de quem seja Miley Cyrus, Lady Gaga ou Lily Allen, nunca ouvi nenhuma música do Jonas Brothers, nunca vi a cara do McFly, não vi “Camp ROck”, nem “Hanna Montana” quiçá “High School Music”, não li (nem pretendo ler) “Crepúsculo” e seus desdobramentos, desconheço o novo single da Beyoncé e não vi ainda nenhum clipe da Britney depois da Rehab (apesar de ser fã dela desde “Oops… I did it again!”, algo certamente distante pra quem tem 12 anos e gosta dela hoje).

Leonardo DiCaprio não é mais a febre da meninas, Backstreet Boys não vendem mais 1 milhão em 1 dia, a Britney não namora mais o carinha do ‘N SYNC e o carinha do ‘N SYNC nem é mais do ‘N SYNC, pq o ‘N SYNC já acabou há anos…

Não há mais Five, Spice Girls, o Kevin já não canta mais nos Backstreet Boys, a Britney já não tem o mesmo corpo e o brilho dos olhos de antes, o Michael Jackson não pertence mais a esse mundo e os 3 irmãos da vez têm como sobrenome “Jonas” e não “Hanson”…

Não conheço as meninas das capas da Capricho, nem da Atrevida. Aliás, eu não compro mais Capricho e Atrevida.

Não uso roupa colada, calça apertada, nem barriga de fora, nem taaanto rosa. Meus All Stars estão encostados, porque salto alto deixa a mulher mais elegante… Não pinto o cabelo mais por diversão e sim por necessidade e hoje não sou apenas aluna e sim professora.

Se eu como, eu engordo, se eu fico sem dormir, tenho olheiras e não consigo mais passar a madrugada estudando.

Não escrevo mais em agendas e não tenho tempo de sonhar acordada. Tenho uma vida pra levar, sonhos que eu construí a minha adolescência toda para concretizar com o Dudu…

Apesar de não ser mais aquela adolescente e estar prestes a sair das asas de mamãe, sinto que tudo vai ser melhor.

Sinto que, mesmo doendo demais, vamos ficar ainda mais unidas e amigas e essas novas posturas irão nos tornar melhores, mais maduras…

Agora seremos duas mulheres, duas grandes amigas. Ela, com o dever cumprido de ter me criado e ter sido tudo da melhor maneira possível e eu casada, com meu novo lar, mas sempre tendo minha mãe comigo e podendo ser agora também, um pouco mãe dela, pra tentar retribuir tudo que ela fez pra mim.

A adolescência se foi?

Sim…

Mas foi boa enquanto durou e deixou as melhores recordações.

A fase “filhota” também está acabando?

Mas dará lugar a uma vida de mãe e filha ainda melhor.

O bebê da mamãe, sem grana, estudante e com a cabeça na lua é e será agora uma dona de casa (e da casa), que trabalha, que amadureceu e tem reponsabilidades.

E que um dia será também mãe e passará novamente por essa situação que, apesar de dolorosa, serve pra mostrar que não estamos sozinhos e nem estagnados. Tudo muda e sempre há no nosso coração lugar pra mais amor e pra experiências e vivências novas.

A fase “mãe” também dará lugar à amiga, companheira, sem aquela preocupação de exemplos ou cobranças. Até o ritmo de vida será mais tranquilo…

Minha mãe não vai ler nada disso que estou escrevendo (não agora, pois vou imprimir e deixar com ela quando eu sair pra lua-de-mel), mas, mesmo assim quero dizer pro mundo inteiro que eu a amo demais e agradecer por tudo que ela fez e faz por mim. Cada renúncia, cada febre e alergia curada, cada almoço, janta, café, e “agradinhos” trazidos da padaria à tarde, cada palavra de carinho, cada rala, cada alerta… Tudo, tudo me fez melhor, mais forte e me fez admirá-la sempre mais.

Valeu mãe por tudo!

E não pense que vai tirar férias de mim não, viu?! Heheheheheh!

Bom, é isso!

 

Já são 03:47 da madrugada, vou tentar dormir.

Beijos,

Fiquem com Deus.

Com carinho,

Naná.

Declaração

10 ago

“Quem um dia irá dizer que existe razão nas coisas feitas pelo coração…”

Pois é, quem iria imaginar algo sobre aqueles amigos que se denominavam “irmãozinhos”, aqueeeeles dois nerds que tinham tantos sonhos e tantos objetivos (uns meio surreais e que ficaram perdidos pelo caminho)…

Aquele que era calado, estudava no intervalo e sempre muito gentil (apesar de não passar cola! Heheheh! *rancorosa*), juntamente com aquela que só estudava de madugada e passava a aula lendo revista dos Backstreet Boys… Difícil imaginar?

É… Mas o amor chegou pra eles sim! Porém “tomou chá de sumiço” um tempo depois… *Hunft!*

Assim, quem um dia iria pensar que aquela amizade que virou amor, mas que por um tempo cessou, poderia voltar?!

Mas voltou!

E essa nossa nova caminhada já completa 2 anos!

Os sonhos surreais deram lugar aos planos, de estudantes nos tornamos professores (e não admitimos colas!).

Mudamos posturas, ações, formas de pensar, amadurecemos. Crescemos com os erros, nos tornamos mais fortes e certos de que, nem as piores dificuldades foram sufucientes para destruir o amor que há em nós.

Juntos acertamos, erramos, rimos (e afiamos muito nossa língua! Hehehehe!), choramos (liiiiitros), sonhamos, planejamos, (fizemos previsões que se concretizaram), tentamos fazer caminhada, comemos muita besteira, andamos no sol a pino atrás de um lar, cantamos, dançamos forró, nos formamos, aprendemos TUDO sobre Corel Draw, Photoshop, InDesign, Gráficas, “Minha Casa, Minha Vida”, cartórios, eletrodomésticos, imobiliárias, vendas, finanças e “enxovaldo”; fizemos um blog, percebemos quem são nossos verdadeiros amigos e companheiros, aprendemos um pouco mais sobre o mundo e sobre nós mesmos.

E o principal: vimos que juntos somos mais fortes e mais felizes.

Dois anos de namoro…

8 meses de noivado…

E pra sempre nos amando!

Amo você, peto!

Com carinho,

Naná.

Papo ON/OFF – Backstreet Boys na minha vida.

22 mar

Oi, gente!

Assim, o papo de hoje é interdiscursivo, se é que posso chamar assim.

Tenho pra mim que ninguém conhece alguém na balada ontem a noite e quando é hoje de manhã vai lá no cartório e se casa. (Se alguém por acaso fez isso, me manda um e-mail contando como foi que já tá concorrendo à nossa promoção!)

Bom, voltando. Todo mundo até resolver por casar tem uma looooooooonga história de amor e até de encontros e desencontros pela frente, né verdade?!

Resolvi refletir sobre uma parte da minha que envolve adivinha quem?!

Sim, sim: Nick, (na época) Kevin, Brian, AJ e Howie D. *gritos histéricos meus para o último nome mencionad0*.

Os Backstreet Boys…

Posso voltar aos meus 16 anos?! Ahhhhhhhhhhhhhhh!!!!! Amo essa foto, tenho o poster enooooorme dela!!! Morro de ver as coxas do Kevão!!!!!!!!!!

Posso voltar aos meus 16 anos?! Ahhhhhhhhhhhhhhh!!!!! Amo essa foto, tenho o poster enooooorme dela!!! Morro de ver as coxas do Kevão!!!!!!!!!!

Já que eu já confessei que ouço Cidia e Dan escondido, que que tem eu confessar que ah: desde 2000 até hoje eu AMO Backsteet Boys!
Pronto falei!
Como teve show deles no começo do mês e infelizmente não pude ir, afinal moro no interior do Brasil e tenho uma vida acadêmica pra cumprir, acho que nada mais justo do que prestar a minha homenagem a eles aqui no blog, expressando por meio de minhas palavras como eles fizeram e fazem parte da minha história de vida e sobretudo com o Dudu.

Relacionamentos não têm sempre uma “trilha sonora”?! BSB tá na nossa!

Basicamente 1 música marcou demais a gente. Chama-se “More Than That” e quem não conhece, o clipe é este:

Bom, nosso primeira idéia de paquerinha surgiu com um p*** mal entendido ocorrido com essa música *hoje, santo mal entendido!*

Isso lá em meados de 2001… Dois adolescentes de 16 anos, do 2º ano do Ensino Médio, nerds, cheios de dúvidas e sonhos e que estudavam que nem uns condenados pra entrarem na Federal.

Eu, apaixonada pelos Backstreet Boys… e pelo Dudu! E ele… Com o saco cheio de me ouvir falando de Backstreet Boys e… apenas querendo minha amizade!

Naquela época os tempos eram outros… Bons tempos!

A gente comprava poster, CD, DVD, Revista Capricho… Juntava dinheiro,  batia ponto na banca depois da aula só pra ver se tinha algo de nossos ídolos nas revistas.

Não havia Orkut, MSN, câmera digital e internet eram coisas de poucos… e pra poucos.

Não se baixava arquivos, nem se salvava fotos com o simples toque no botão direito do mouse.

Trocávamos fotos, comprávamos coisas.

Era tudo material e não “virtual” como hoje!

Amigos passavam bilhetes e escreviam cartinhas, não mandavam scrap.

Fotos demoravam a ser reveladas e nem sempre ficavam boas…

Photoshop era coisa de Revista Playboy não de computador doméstico.

Celular era Gradiente e tinha composer pra compor toques personalizados que mais pareciam música daquelas “caixinhas de música”, mas que exibíamos orgulhosos aos colegas.

Chique era ter discman e ouvir o mesmo cd mil vezes…

Não havia mp’s nem toda essa facilidade de hoje…

A juventude sonhava, acreditava, amava lutava mais por algo por mais tempo… Hoje, tudo muda de um dia pro outro!

É…

Foi esse tempo bom que não volta mais que desenhou a minha adolescência.

Eu tinha mania de mandar por carta letras de músicas que eu gostava para os meus amigos, como uma forma de eles sempre se lembrarem de mim ao ouvi-las.

Foi com uma cartinha dessas que mandei a letra de “More Than That” pro Dudu numa boa…

Só que eu não imaginei que ele ia contar pras minhas amigas e pra mim (depois) que tava achando que o envio daquela letra tinha “segundas intenções”…

Eu enviei na boa, sem intenção de paquera, mas oh os Backtreet Boys dando um empurrãozinho sem saber…

Baby, you deserve much better
What’s the use in holding on
Don’t you see it’s now or never
‘Cause I just can’t be friends…”

Traduzindo a canção toda:

http://letras.terra.com.br/backstreet-boys/80925/

E neste lapso meu… (Se é que posso chamar de lapso) que essa música ficou marcada até hoje como uma de nossas canções, pois foi o primeiro passo para começarmos a namorar.

Não foi depois da cartinha que começamos o namoro, mas foi a partir dessa música que tudo ficou mais forte, inclusive nossos sentimentos… Nos recorremos a esta letra muitas e muitas vezes em nosso namoro pra remeter a momentos bons e resolver os ruins… E esta música, aparentemente tão simples, é para nós carregada de significações em cada verso que nos remete a quase 10 anos de convivência e amor…

Acho que se for pra resumir nosso amor em uma frase seria “I will love you more than that”, pois, a cada dia nos amamos mais, de uma forma mais madura e plena.

Então, pra quem acha que Backstreet Boys é coisa de adolescente do passado, saiba que uma história de amor muito especial foi embalada por uma simples letra de música, simples e especial como nosso relacionamento.

E vocês? Qual é a música do casal?! Conte-me!

Beijos,

Com carinho

Naná.

P.S.: E como diria o Howie: “KEEP THE BACKSTREET PRIDE ALIVE!”



Parabéns para mim!

1 mar

Oi, gente!!!!!!!

Só passei para dizer que hoje eu assopro 24 velinhas!!!!!

Parabéns, uhul! Parabéns, uhul! Hoje é o meu dia, que dia mais feliiiiiz!!!

Parabéns para mim!

Apesar de não poder comer bolo (por causa da alergia) fica a simbologia!

Apesar de não poder comer bolo (por causa da alergia) fica a simbologia!

Isso para mim não significa só 24 anos de vida… Significa que:

– é o meu 2º aniversário formada;

– é o meu 1º aniversário mestranda;

– é o meu 2º aniversário com o Dudu (desta “segunda temporada” de namoro);

– é o meu primeiro (e se Deus quiser último) aniversário noiva;

– e é o meu último aniversário (se Deus quiser) solteira!!!!!!!!!!

Então é isso!

Beijos a todos!

Com carinho,

Naná!

In love girls trust!

27 fev

Olá, queridos!

Tô emocionada com o carinho de vocês. Cada comentário que eu leio é um motivo a mais pros meus olhinos brilharem…

Por isso quero agradecer a tooodos que postaram comentários no blog: Ivone, Dâmares, Rodrigo, Bel, Maria Clara, Valéria, Taís, Daniele, Pâmela, Diana e todos os demais. Valeu mesmo!

Para homenagear todos vocês vou escrever algumas palavrinhas a partir do comentário da Taís neste post:

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior

que realmente me emocionou e me interpelou muito!

Interpelou, pois, assim como ela eu acredito muito no amor e acho que somente esse sentimento pode nos salvar de nossas maiores tristezas, dores e medos…

É só amando o outro que podemos nos conhecer a fundo, pois é vendo o amor nos olhos do outro que enxergamos melhor a nossa própria alma e descobrimos a nossa essência.

Quem ama e acredita no amor nunca se sente fraco, pois sabe que pode encontrar no amor a força para superar qualquer obstáculo. Quando se acredita no amor, qualquer sentimento mesquinho se torna ínfimo e qualquer problema é passageiro.

Acreditar no amor e nunca desistir de buscá-lo deve se tornar uma missão, uma obrigação. Pois não há melhor remédio para curar as mazelas da nossa alma que o amor…

Outro trecho que me tocou foi o fato de ela contar que escrevia no blog e o amado dela lia sem que ela soubesse…

Um dia ouvi um cara falar na tv que blogs são como garrafas com mensagens que são jogadas ao mar. Estas podem ser resgatadas e seu conteúdo difundido pelo mundo ou nunca serem lidas… Acho perfeita essa definição para blog!

Já tive muitos blogs e nenhum deles fez muito sucesso… Eram blogs pessoais e geralmente com textos “dor de cotovelo” pela perda do amado (no caso o Dudu, quando terminamos). Por muito tempo eu pensava que o que eu escrevia lá não era lido por ninguém, que ninguém tinha paciência para ler minhas idéias soltas e minhas dores…

Quando voltamos a namorar, não é que o Dudu confessou que lia todos os meus blogs?! Daquele dia em diante percebi que blogs são lidos sim, até por quem você menos espera. E mesmo que sem eu saber, foram eles que nos mantiveram de alguma forma unidos… Eu, sempre exteriorizando meus pensamentos sobre ele e ele lendo.

Agora me diga: como não acreditar no amor?! Como não acreditar em um sentimento que, no meu caso, me uniu ao Dudu, mesmo quando estávamos separados?!

Se você anda descrente quanto ao poder do amor, não desista de lutar por quem você ama!

Quando tooooodo mundo dizia que era pra eu esquecer o Dudu porque ele não voltaria pra mim, três anos depois, nos reencontramos, voltamos a namorar e vamos nos casar! Por quê? Porque acreditamos no amor e que podíamos ser felizes pra sempre juntos .

Acredite sempre no amor e nunca desista dele. Somos a prova viva de que pelo amor até o que parece impossível pode acontecer!

Beijos a todos!

Com carinho,

Naná.