Tag Archives: namoro

Bye, bye… Oops! Surpresa!

21 jul

Olá, pessoal!

Bem que tentei voltar pra cá, mas tanta coisa mudou que resolvi migrar pra outro blog!

O endereço é: http://avidasegundonana.blogspot.com/

Espero vocês lá!

Com carinho,

Naná.

Anúncios

Papo ON/OFF – Backstreet Boys na minha vida.

22 mar

Oi, gente!

Assim, o papo de hoje é interdiscursivo, se é que posso chamar assim.

Tenho pra mim que ninguém conhece alguém na balada ontem a noite e quando é hoje de manhã vai lá no cartório e se casa. (Se alguém por acaso fez isso, me manda um e-mail contando como foi que já tá concorrendo à nossa promoção!)

Bom, voltando. Todo mundo até resolver por casar tem uma looooooooonga história de amor e até de encontros e desencontros pela frente, né verdade?!

Resolvi refletir sobre uma parte da minha que envolve adivinha quem?!

Sim, sim: Nick, (na época) Kevin, Brian, AJ e Howie D. *gritos histéricos meus para o último nome mencionad0*.

Os Backstreet Boys…

Posso voltar aos meus 16 anos?! Ahhhhhhhhhhhhhhh!!!!! Amo essa foto, tenho o poster enooooorme dela!!! Morro de ver as coxas do Kevão!!!!!!!!!!

Posso voltar aos meus 16 anos?! Ahhhhhhhhhhhhhhh!!!!! Amo essa foto, tenho o poster enooooorme dela!!! Morro de ver as coxas do Kevão!!!!!!!!!!

Já que eu já confessei que ouço Cidia e Dan escondido, que que tem eu confessar que ah: desde 2000 até hoje eu AMO Backsteet Boys!
Pronto falei!
Como teve show deles no começo do mês e infelizmente não pude ir, afinal moro no interior do Brasil e tenho uma vida acadêmica pra cumprir, acho que nada mais justo do que prestar a minha homenagem a eles aqui no blog, expressando por meio de minhas palavras como eles fizeram e fazem parte da minha história de vida e sobretudo com o Dudu.

Relacionamentos não têm sempre uma “trilha sonora”?! BSB tá na nossa!

Basicamente 1 música marcou demais a gente. Chama-se “More Than That” e quem não conhece, o clipe é este:

Bom, nosso primeira idéia de paquerinha surgiu com um p*** mal entendido ocorrido com essa música *hoje, santo mal entendido!*

Isso lá em meados de 2001… Dois adolescentes de 16 anos, do 2º ano do Ensino Médio, nerds, cheios de dúvidas e sonhos e que estudavam que nem uns condenados pra entrarem na Federal.

Eu, apaixonada pelos Backstreet Boys… e pelo Dudu! E ele… Com o saco cheio de me ouvir falando de Backstreet Boys e… apenas querendo minha amizade!

Naquela época os tempos eram outros… Bons tempos!

A gente comprava poster, CD, DVD, Revista Capricho… Juntava dinheiro,  batia ponto na banca depois da aula só pra ver se tinha algo de nossos ídolos nas revistas.

Não havia Orkut, MSN, câmera digital e internet eram coisas de poucos… e pra poucos.

Não se baixava arquivos, nem se salvava fotos com o simples toque no botão direito do mouse.

Trocávamos fotos, comprávamos coisas.

Era tudo material e não “virtual” como hoje!

Amigos passavam bilhetes e escreviam cartinhas, não mandavam scrap.

Fotos demoravam a ser reveladas e nem sempre ficavam boas…

Photoshop era coisa de Revista Playboy não de computador doméstico.

Celular era Gradiente e tinha composer pra compor toques personalizados que mais pareciam música daquelas “caixinhas de música”, mas que exibíamos orgulhosos aos colegas.

Chique era ter discman e ouvir o mesmo cd mil vezes…

Não havia mp’s nem toda essa facilidade de hoje…

A juventude sonhava, acreditava, amava lutava mais por algo por mais tempo… Hoje, tudo muda de um dia pro outro!

É…

Foi esse tempo bom que não volta mais que desenhou a minha adolescência.

Eu tinha mania de mandar por carta letras de músicas que eu gostava para os meus amigos, como uma forma de eles sempre se lembrarem de mim ao ouvi-las.

Foi com uma cartinha dessas que mandei a letra de “More Than That” pro Dudu numa boa…

Só que eu não imaginei que ele ia contar pras minhas amigas e pra mim (depois) que tava achando que o envio daquela letra tinha “segundas intenções”…

Eu enviei na boa, sem intenção de paquera, mas oh os Backtreet Boys dando um empurrãozinho sem saber…

Baby, you deserve much better
What’s the use in holding on
Don’t you see it’s now or never
‘Cause I just can’t be friends…”

Traduzindo a canção toda:

http://letras.terra.com.br/backstreet-boys/80925/

E neste lapso meu… (Se é que posso chamar de lapso) que essa música ficou marcada até hoje como uma de nossas canções, pois foi o primeiro passo para começarmos a namorar.

Não foi depois da cartinha que começamos o namoro, mas foi a partir dessa música que tudo ficou mais forte, inclusive nossos sentimentos… Nos recorremos a esta letra muitas e muitas vezes em nosso namoro pra remeter a momentos bons e resolver os ruins… E esta música, aparentemente tão simples, é para nós carregada de significações em cada verso que nos remete a quase 10 anos de convivência e amor…

Acho que se for pra resumir nosso amor em uma frase seria “I will love you more than that”, pois, a cada dia nos amamos mais, de uma forma mais madura e plena.

Então, pra quem acha que Backstreet Boys é coisa de adolescente do passado, saiba que uma história de amor muito especial foi embalada por uma simples letra de música, simples e especial como nosso relacionamento.

E vocês? Qual é a música do casal?! Conte-me!

Beijos,

Com carinho

Naná.

P.S.: E como diria o Howie: “KEEP THE BACKSTREET PRIDE ALIVE!”



In love girls trust!

27 fev

Olá, queridos!

Tô emocionada com o carinho de vocês. Cada comentário que eu leio é um motivo a mais pros meus olhinos brilharem…

Por isso quero agradecer a tooodos que postaram comentários no blog: Ivone, Dâmares, Rodrigo, Bel, Maria Clara, Valéria, Taís, Daniele, Pâmela, Diana e todos os demais. Valeu mesmo!

Para homenagear todos vocês vou escrever algumas palavrinhas a partir do comentário da Taís neste post:

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior

Clique na imagem para vê-la em tamanho maior

que realmente me emocionou e me interpelou muito!

Interpelou, pois, assim como ela eu acredito muito no amor e acho que somente esse sentimento pode nos salvar de nossas maiores tristezas, dores e medos…

É só amando o outro que podemos nos conhecer a fundo, pois é vendo o amor nos olhos do outro que enxergamos melhor a nossa própria alma e descobrimos a nossa essência.

Quem ama e acredita no amor nunca se sente fraco, pois sabe que pode encontrar no amor a força para superar qualquer obstáculo. Quando se acredita no amor, qualquer sentimento mesquinho se torna ínfimo e qualquer problema é passageiro.

Acreditar no amor e nunca desistir de buscá-lo deve se tornar uma missão, uma obrigação. Pois não há melhor remédio para curar as mazelas da nossa alma que o amor…

Outro trecho que me tocou foi o fato de ela contar que escrevia no blog e o amado dela lia sem que ela soubesse…

Um dia ouvi um cara falar na tv que blogs são como garrafas com mensagens que são jogadas ao mar. Estas podem ser resgatadas e seu conteúdo difundido pelo mundo ou nunca serem lidas… Acho perfeita essa definição para blog!

Já tive muitos blogs e nenhum deles fez muito sucesso… Eram blogs pessoais e geralmente com textos “dor de cotovelo” pela perda do amado (no caso o Dudu, quando terminamos). Por muito tempo eu pensava que o que eu escrevia lá não era lido por ninguém, que ninguém tinha paciência para ler minhas idéias soltas e minhas dores…

Quando voltamos a namorar, não é que o Dudu confessou que lia todos os meus blogs?! Daquele dia em diante percebi que blogs são lidos sim, até por quem você menos espera. E mesmo que sem eu saber, foram eles que nos mantiveram de alguma forma unidos… Eu, sempre exteriorizando meus pensamentos sobre ele e ele lendo.

Agora me diga: como não acreditar no amor?! Como não acreditar em um sentimento que, no meu caso, me uniu ao Dudu, mesmo quando estávamos separados?!

Se você anda descrente quanto ao poder do amor, não desista de lutar por quem você ama!

Quando tooooodo mundo dizia que era pra eu esquecer o Dudu porque ele não voltaria pra mim, três anos depois, nos reencontramos, voltamos a namorar e vamos nos casar! Por quê? Porque acreditamos no amor e que podíamos ser felizes pra sempre juntos .

Acredite sempre no amor e nunca desista dele. Somos a prova viva de que pelo amor até o que parece impossível pode acontecer!

Beijos a todos!

Com carinho,

Naná.

O primeiro beijo de vários, para sempre…

8 jan

Todo casal tem uma ou várias músicas que marcaram momentos ou fases especiais. Nós já temos várias trilhas sonoras, hehehe. Frisson é a música que marcou nosso primeiro beijo, o primeiro de vários, para sempre…

“Você caiu do céu, um anjo lindo que apareceu… solidão nunca mais”

Te amo, minha noiva!

Dudu.

Ah, quando casar passa! (Ou não!)

7 jan

Ai, ai… Que emoção! Depois de tanto tentar, de tanto procurar um lugarzinho ideal para escrever nossas idéias e ideais, finalmente amarrei nosso burrinho aqui nessa sombra e pretendo (juntamente com o meu futuro marido) compartilhar boas histórias com vocês, caros leitores.

Então, vou começar falando um pouco sobre mim e o Dudu e o que nos levou a criar o blog.

Sou Naná, tenho quase 24 aninhos sou formada em Letras e curso mestrado na área. Como ser professor no Brasil é bem difícil, atualmente estou desempregada, à procura de um emprego. Alguém aí é dono de escola?! Sou professora de Português, Redação e Literatura!

Estou noiva do Dudu, 24 anos e formado em Psicologia, atualmente trabalhando como professor de inglês. Se alguém tiver vaga para psicólogo escolar também…

Nos conhecemos em 2000 . Primeiro ano do Ensino Médio. Éramos apenas “irmãozinhos“, mas num belo dia, ele chegou atrasado na aula (normal…), eu olhei pra ele, meu coração disparou e senti que ele era o homem da minha vida e futuro pai dos meus filhos! (Estranho uma garota de 16 anos pensar isso, mas não é que eu estava certa?!)

No começo, ele nem me deu moral… Disse que éramos amigos e que não sentia nada por mim… Eu fiquei bem (mentira!) . Metade da escola em que estudávamos começou a acompanhar e dar pitaco no caso e o que era uma simples paixão, virou até baixaria!

Resolvi então mudar de sala. Cansei de ir atrás dele e só levar fora… Isso ocorreu em meados de novembro daquele ano e como eu era nerd (vale lembrar que ele também era), o coordenador deu uma forcinha e me colocou em outra sala.

Ok, 2001  acabou, o terceiro ano chegou e eu nem lembrava mais dele (mentira[2])… Num dia bem chato (daqueles bem chatos, tipo aula de zoologia às 7:30 da manhã), eis que chegando atrasado ele adentra a minha sala?! Não é que ele acabou indo atrás de mim?! (Não, imagina a minha cara de Dona Florinda quando via o professor Jirafales…)

Depois disso acabamos namorando… Finalmente eu havia conseguido namorar o Dudu.  Entramos juntos na faculdade, desisti do curso que eu entrei,  passei pra Letras… E nosso namoro foi lindo por 2 anos e pouco…

As brigas foram surgindo, os desentendimentos, as influências externas  e o término foi inevitável…

Ficamos 3 anos separados…

O tempo passou, fiquei muito machucada com o fim daquele relacionamento, mas as feridas foram cicatrizando. Toquei a minha vida (status do orkut: single), fui trabalhar e perdi as esperanças de que um dia o reencontraria…

Porém, o destino resolveu me surprender mais uma vez. Lá estava eu e minha amiga fazendo estágio em uma escola e quem estava fazendo estágio também?! Dudu! Ele mesmo!

No primeiro momento ele não me viu, senti um misto de alegria e preocupação, pois havia ficado feliz em vê-lo, mas também tinha receio da reação dele ao me ver… Evitava de todas as formas que ele me encontrasse, mas um dia (4 de julho de 2007, mas precisamente) ele passou pela sala em que eu estava e me viu. A conversa foi mais ou menos assim:

Dudu: __Naná…

Naná: __Oi…

*abraço, corações disparados e mãos trêmulas*

Dudu: __Você tá fazendo estágio?

(Pensamento de Naná: “Não… Descobriram que meu histórico da 5ª série era falso, voltei pra escola então!”)

Naná:__Aham… E você como tá?!

Dudu:__Bem…

*sem-graça e sem assunto*

(…)

Dudu:__Então, tchau!

Naná:__Tchau…

 *abraço, corações disparados e mãos trêmulas*[2]

Bastou isso pra reativar em mim todo o amor que eu sentia por ele… Conversamos por um tempo, tanto no estágio quanto por MSN (desbloqueei ele, heheh!), e eu propus que voltássemos. No começo ele achou melhor não… (Por que ele insiste em ser tão difícil?!) Mas no dia 09 de agosto de 2007, voltamos (via MSN) a namorar…

Desde então somos um casal apaixonado… E agora é pra sempre! Como eu sei? Aprendemos com os nossos erros, e buscamos a cada dia amar e respeitar ainda mais um ao outro, lutando sempre pelo nosso relacionamento e não permitindo que nada nem ninguém atrapalhe ou estrague a nossa história.

Estamos noivos… E pretendemos nos casar no final deste ano!

 O problema é que insistem em estragar tudo… Não sei se é inveja, despeito ou superproteção. O fato é que isso nos incomoda e pretendemos escrever aqui nossas histórias, tanto de desabafo sobre as pérolas que estamos ouvindo, quanto sobre os preparativos pro nosso casamento. Cada passo dessa nossa história será compartilhado aqui! O que pudermos passar de dicas pra vocês noivos, casados ou que pretendem noivar, postaremos aqui.

E você, que se identificar com as nossas histórias ou quiser comentá-las, não se acanhe. Comentários construtivos serão sempre bem vindos!

Nossos pais sempre dizem que qualquer machucado ou problemas que tivermos na vida, “ah, quando casar, passa!” (por isso o nome do blog, sacou?!). Será que após o casamento os “mal amados” que insistem em nos azucrinar cessarão suas intrigas e tramóias?! Veremos juntos…

Mas uma coisa é certa: Algo que não vai passar depois que nos casarmos é o nosso amor, que cada dia está mais forte e pronto pra qualquer desafio.

Então é isso.

Beijos.

Com carinho,

Naná.